ORGANIZAÇÃO DE UM SERMÃO

O SERMÃO E SUA ORGANIZAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO DO SERMÃO

O primeiro passo na organização de um sermão é a sua divisão em três partes: introdução, corpo e conclusão.

Em outras palavras, o sermão tem de ter começo, meio e fim.

No passado, alguns autores dividiam o discurso em cinco ou mais partes, mas hoje a tendência é simplificar essa divisão em apenas três partes.

É mais prático por isso, vamos nos preocupar apenas com o corpo do
sermão e sua estrutura.

Quanto mais organizado estiver o sermão, mais ele vai ser captado pelo
ouvinte surtindo então, um efeito duradouro.

Estudos revelam que a pessoa comum se lembra apenas de 25% do que ouve, e conserva isso na memória por pouco tempo.

Após 48 horas, a maioria só se lembra de 10% de um discurso.

Esse é mais um motivo para que as idéias estejam muito bem organizadas.

Vejamos então, como organizar as idéias do sermão.

CARACTERÍSTICAS DO CORPO DO SERMÃO

CARACTERÍSTICA DO CORPO DO SERMÃO

O corpo é o sermão propriamente dito, é a mensagem que vai ficar na mente e no coração do ouvinte e a exposição das idéias e o desenvolvimento do tema ou assunto.

Para ser eficaz, o corpo do sermão precisa de algumas características indispensáveis, então, Vejamos a seguir:

UNIDADE ABSOLUTA

partes da conclusão no sermão

Um cidadão lia um dicionário, e um amigo perguntou-lhe o que estava lendo.

Em resposta, disse: “Parece que tem um monte de informações boas, mas não consegui descobrir a linha de raciocínio!”.

No dicionário, o termo anterior e o posterior nada têm a ver com o do meio.

Alguns pregadores pregam sermões-dicionário, que têm um monte de informações boas, mas ninguém descobre a linha de raciocínio.

Isso não pode acontecer no corpo do sermão nem no sermão como um todo, pois, o sermão não pode ter duas ou três idéias centrais.

Pelo contrário, tem de ter uma ideia central única, grande, luminosa e presente no todo.

Tudo o que se diz no sermão tem de estar debaixo dessa ideia e contribuir para ela.

Qualquer outra ideia que não reforce ou esclareça a ideia central deve ser abandonada.

Uma boa solução é guardar essas idéias “extras” para outros sermões.

Portanto, se você pregar sobre a volta de Jesus, não fale nesse sermão sobre a doutrina do santuário.

Se pregar sobre a fé, não misture com o tema da origem do mal.

E se pregar sobre oração, não misture com educação cristã.

É claro que todos os temas bíblicos se inter-relacionam, mas você deve apresentar apenas um de cada vez, para que a mensagem tenha unidade e poder.

CURSO DE PREGAÇÃO

Muitos membros de igreja voltam para casa como aquele homem a quem, ao chegar do culto, a esposa perguntou: “Sobre que assunto o pastor pregou?”.

O homem respondeu: “Sobre o pecado”. Quando a esposa insistiu em saber o que o pastor disse sobre o pecado, o homem respondeu:

”Acho que ele era contra”. É muito comum ouvir sermões do tipo salada de frutas.

Aliás, a triste realidade é que é mais comum ouvir sermões desorganizados do que sermões organizados.

BANNER-MELHORE-SUAS-PREGAÇÕES-1 (1)

PARA QUE VOCÊ CONHEÇA MAIS SOBRE A PREGAÇÃO, DEIXEI AQUI ABAIXO, UM E-BOOK PARA BAIXAR.

E-BOOK-INICIANDO-NA-PREGAÇÃO-06-02.pdf (48 downloads)

Alguns pregadores percorrem a Bíblia de Gênesis a Apocalipse e misturam
todas as doutrinas num só sermão.

Quando terminam, ninguém sabe dizer sobre o que falaram.

A razão não é a falta de inteligência, e sim de dedicação, porque pregar sobre dez assuntos dá menos trabalho do que pregar sobre um só.

A escolha de um assunto (tema) exige bastante tempo e estudo.

Duane Litfin apresenta quatro passos básicos na escolha do assunto e da ideia central:

ESTRUTURA DO SERMÃO

Aliás, ao escolher a ideia central, você determinará a unidade do sermão.

John Henry Jowet escreveu:

“Tenho a convicção de que nenhum sermão está pronto para ser pregado, ou para ser escrito por extenso, até que possamos expressar seu tema numa frase curta e fecunda, clara como cristal”.”

PROPÓSITO CLARO NO SERMÃO

ÇÃO INDIRETA NO SERMÃO

Definido o assunto, estabeleça o propósito que quer alcançar com esse assunto.

Muitas vezes o processo pode ser inverso: você tem um propósito e escolhe um assunto para atingir esse propósito.

Não importa a ordem, o importante é que tenha um assunto e um propósito.

“O propósito declara aquilo que esperamos que aconteça com o ouvinte como resultado da pregação desse sermão.

O propósito difere da ideia do sermão, assim como o alvo é diferente da flecha … Ao passo que a ideia declara a verdade, o propósito define o que aquela verdade deve levar a efeito.

” Exemplificando, suponhamos que o assunto escolhido seja o perdão. A ideia central poderia ser: “Deus não se cansa de perdoar”.

O propósito seria levar o ouvinte a buscar o perdão, mesmo após repetidos fracassos.

DIVISÕES PARALELAS NO SERMÃO

PREPARO DA INTRODUÇÃO DA PREGAÇÃO

Tendo o assunto, a ideia central e o propósito, então, fica fácil organizar o restante do sermão.

O passo seguinte é dividir a ideia central em três tópicos específicos, que seriam as divisões da ideia.

Essa regra não é inflexível, e você pode usar duas ou quatro divisões esporadicamente.

Alguns autores admitem até mais de quatro divisões, o que, porém, não é muito didático.

Porque quanto menor o número de tópicos, maiores serão a clareza e a força da ideia central.

Por isso,o ideal é usar somente três divisões, ou excepcionalmente duas.

Quatro divisões, só em casos muito especiais.

Vamos tomar o exemplo acima e acrescentar as três divisões da ideia central:

IDEIA CENTRAL: Deus não se cansa de perdoar

DIVISÕES:

A. Não se cansou de perdoar a Davi
B. Não se cansou de perdoar a Pedro
C. Não se cansa de perdoar a você

Observe que as três divisões são enfoques que apoiam a ideia central e com
esta formam uma unidade absoluta. Tudo está dentro do mesmo tema e tem o mesmo propósito.

Observe também o paralelismo das divisões, ou seja, elas são semelhantes entre si. Isso é possível mediante o uso de um palavra-chave repetida em todas as divisões.

No caso acima, a palavra-chave é “perdoar”, que amarra as três divisões, mantendo-as paralelas.

Portanto, quanto mais palavras-chave, maior o paralelismo.

No exemplo acima, o verbo “cansar-se” e a palavra “não”também ajudam a fortalecer o paralelismo.

PROGRESSÃO

SUMO APLICATIVO CONCLUSÃO DO SERMÃO

Todo sermão deve ter movimento, e esse movimento tem de progredir em direção a um clímax.

O pregador precisa levar o ouvinte de um ponto de partida para um ponto de chegada.

Progressão é a maneira que o pregador conduz o ouvinte, envolvendo- o pouco a pouco no propósito da mensagem.

Assim, ao preparar as divisões do sermão, você deve dar-lhes uma ordem lógica de progresso em direção ao clímax do sermão.

No exemplo já citado, observe a progressão das divisões. Primeiro, o foco é o perdão a Davi, lá no Antigo Testamento.

Depois vem o perdão a Pedro, um pouco mais próximo, por ser no Novo Testamento.

Finalmente vem o clímax do sermão, que é o perdão ao próprio ouvinte: “Deus não se cansa de perdoar a você”.

Vejamos então, o exemplo de um discurso sobre o tema da temperança.

Observe como a ideia central apóia-se nos tópicos das divisões e progride com eles:

IDEIA CENTRAL:

DIVISÕES:

A. Destrói o indivíduo
B. Destrói a família
C. Destrói a sociedade

O discurso tem como ponto de partida o prejuízo que o álcool causa à
própria pessoa que o ingere. Na segunda divisão, esse prejuízo é ampliado para toda a família.

Na terceira, o prejuízo atinge toda a sociedade.

A ordem também poderia ser inversa, culminando com o prejuízo ao indivíduo, pois você escolhe o clímax de acordo com o enfoque que deseja dar, contanto que haja movimento em direção a um ponto culminante.

Observe também que o paralelismo ocorre com a palavra-chave “destrói”.

1 comentário

  1. […] principais estão organizadas corretamente e proferidas com clareza, do que quando elas não têm organização ou não se […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *